Não me culpe por te amar demais

by - segunda-feira, fevereiro 18, 2013




      Já faz um tempo que preciso te contar certas coisas. Peço desculpas pelo horário, mas eu não pude vir mais cedo e acabei vindo agora mesmo. Eu sei que é um pouco tarde, assim como sei que você não costuma dormir cedo, e mesmo que dormisse, ainda assim eu estaria aqui, agora, plantada na porta do seu apartamento.

Não quero te dar (mais) incomodações, muito menos te lembrar do que aconteceu nas últimas duas semanas, mas eu precisava te ver. Sabe, assim cara a cara. Só pra ter certeza que você ainda é o mesmo e que apesar do ocorrido, nada mudou. Não entendo pra quê, porque eu sei muito bem que nada mais é o mesmo para nós dois. Mas eu senti que eu precisava vir aqui agora só pra te ver, pra olhar no fundo dos teus olhos e tentar te provar que a culpa não foi minha.

Confesso que aquela história de tempo é toda uma mentira, eu passei o dia inteirinho pensando no que eu te diria no momento que chegasse aqui, mas só tive coragem agora. Eu andei pra lá e pra cá buscando argumentos suficientes para te convencer de que não sou culpada, ensaiei milhões de vezes na frente do espelho e agora cá estou eu, sendo engolida por esse silêncio que envolve nós dois.

Meus pensamentos são rápidos, mas as palavras estão todas entupidas na minha garganta. E sabe por que, cara? Tudo isso porque só de olhar esse teu rosto amassado e acabar descobrindo que nas segundas-feiras você dorme cedo, eu me desmancho.  Só de perceber seu olhar triste em direção a mim, eu tenho vontade de correr pro passado e consertar todas as besteiras que eu deixei acontecer, porque sim, amor, a culpa foi minha. Mas depois disso eu passei noites e dias e tardes e manhãs, com chuva e com sol, em claro, pensando em como vir aqui e te dizer todas essas coisas. Falar no teu ouvido tudo aquilo que eu nunca te disse por medo de que as coisas acontecessem rápidas demais. Eu tenho essa mania de tempo, mas eu nunca acerto. Eu nunca acerto nada, entende? E eu acertei demais quando te encontrei, acertei a flecha no alvo, bem no centro do alvo. Isso foi a melhor coisa que aconteceu nos últimos tempos, e eu precisava vir aqui te dizer isso.

 Eu precisava vir aqui pra dizer que eu te amo e que eu me arrependo, eu sei que fiz bobagem, mas eu quero por uma pedra daquelas bem pesadas em cima disso. Sim, você pode achar estranho, mas eu te amo e te peço desculpas por não ter dito antes, mas eu te amo já faz um tempão e você não sabia, você nem desconfiava. Eu não me importo se você não me amar de volta, mas já é meia noite e eu estou aqui na porta do seu apartamento, não espero respostas, nem que você me convide para entrar, mas apenas me ouça com muita atenção. Eu te amo, cara. Eu amo essa tua voz rouca perguntando se eu não estou com frio, se eu não quero entrar, eu amo essa sua mania de sempre me surpreender. Porque quando eu passei o dia inteirinho planejando o que te dizer, eu nunca imaginei que chegaria aqui e ouviria isso. No máximo um eu te perdoo, mas você sempre supera qualquer expectativa. Eu amo essa sua cara amassada e esse teu pijama do superman. Amo de paixão esse teu sotaque puxado e a tua voz cantada. Eu nunca te disse nada disso, mas vivi todo esse tempo percebendo e te amando nos detalhes, porque você é o homem mais maravilho que eu já conheci, e eu precisava vir aqui te contar isso.


Ps.: Primeiramente quero apresentar à vocês uma nova coluna aqui do blog, onde divulgaremos os nossos textos próprios (às vezes podem aparecer alguns de autores aleatórios), diferente destes que vocês costumam ler por aqui, tratando sobre diversos assuntos mas principalmente aqueles que vêm do coração. Esperamos de verdade que vocês gostem; como sempre, fizemos isso para agradar a todos os públicos. E para começar, trouxe este texto que escrevi esses dias. Aceito críticas, opiniões, elogios e sugestões pela ask do blog ou minha ask pessoal. Espero que tenham gostado, pois escrever sempre fez parte de mim, desde muito pequena escrevo histórias que me vem no pensamento e é o que eu mais gosto de fazer. 



You May Also Like

0 comentários