Três livros que li, amei e indico

17:54

Resolvi separar da minha pequena (quase minúscula) coleção de livros os meus preferidos para mostrar pra vocês. Na verdade, esta foi uma sugestão que recebi no ask.fm do blog. E como eu tenho livros que se destacam muito entre todos os outros, resolvi aceitar a proposta! Pra ser bem sincera, o que ajudou na escolha destes livros foram as frases que grifei durante a leitura. Já comentei aqui no blog que a-m-o marcar coisas nos livros que leio, né? Pois então, nesses não foi diferente, acontece que as frases são realmente bem marcantes e daquelas que a gente tem vontade de anotar e guardar para a vida inteira, sabe? Muito amor <3
O post de hoje vai funcionar da seguinte maneira: vou fazer uma descrição breve do livro e, em seguida, citar trechos, ok? Espero que gostem! Se curtirem esse tipo de post posso repetir várias vezes com outros livros!


Para começar, é claro, mais uma linda obra da rainha Martha <3. Eu simplesmente amo cada palavra que essa mulher escreve, pelo simples fato de que ela escreve a coisa mais clichê do mundo transformando, com as palavras, essa coisa fora do comum. E é exatamente assim que acontece no livro. A história? Mais clichê impossível, mulherzinha que se separa do homenzinho, conhece outro homenzinho, se apaixona e tchãn: um final totalmente inesperado. Martha Medeiros conseguiu transformar tanto sofrimento e tristeza numa coisa tão bonita, entende? É como se o livro fosse inteiramente uma carta para ele, o cara que partiu seu coração; tem momentos de raiva, de calma, de amor e de solidão. A obra retrata um pouco de cada parte do sofrimento logo após um término de relacionamento. Eu diria que é o livro perfeito para qualquer um que se encontre nessa situação - e para quem não se encontra também. Ai, ai. É simplesmente demais. Eu leria de novo umas quinhentas vezes se pudesse...

"Mas, por ora, não existe futuro, não existe passado, não existe o tempo, eu olho a chuva pela janela e ela existe lá fora, eu não existo aqui dentro."

"É a pior morte, a do amor. Porque a morte de uma pessoa é o fim estabilizado, é o retorno para o nada, uma definição que ninguém questiona. A morte de um amor, ao contrário, é viva. O rompimento mantém todos respirando: eu, você, a dor, a saudade, a mágoa, o desprezo - tudo segue. E ao mesmo tempo não existe mais o que existia antes. É uma morte experimental: um ensaio para você saber o que significa a morte ainda estando vivo, já que quando morrermos de fato, não saberemos."

"Amei você de um modo que se você conseguir que outra te ame, não desgrude dela como permitiu que eu desgrudasse de você, e acredite quando digo que não te culpo pelo nosso rompimento, não culpo agora, que sei que você não tinha controle sobre seu ímpeto de me machucar. Mas quis matá-lo antes de saber."



Com certeza esse livro é um dos livros mais marcados por mim. Nunca tinha lido nada da Clarissa, a não ser textinhos pelo tumblr. Gente, me impressionei. Comprei o livro porque o título me chamou muito a atenção, mas a leitura foi surpreendente. É um conjunto de crônicas, mas cada uma melhor que a outra. Sério, só lendo para entender. Dá aquela sensação de estar lendo um tumblr MUITO maravilhoso, sabe? UAHUAH Um livro onde, independente da situação, vamos nos identificar com as escritas da autora, pelo simples fato de que todo mundo já passou (ou passará) por isso - amores errados - pelo menos uma vez na vida. Vou parar de enrolation para poder citar várias e várias frases para vocês...

"Mas espero mesmo que você não queira ir. Eu queria muito que você ficasse." 

"Quando o que sentimos se torna mais poderoso que nós, parece que perdemos o foco."

"Por favor, me ame sóbrio, de manhã, de tarde, de noite e de madrugada; com chuva, neve, sol e tempestade. Nos meus dias bons e meus dias chatos. Quando estou chata. Ame com sinceridade. Não me enrole."

"E a imagem que vem de você é aquela, daquela sua foto que eu acho linda. Que tem o desgraçado do sorriso lindo."

"O mundo fica esquisito e anda de uma forma devagar e lenta sem você."

"Da primeira vez que você sentiu seu coração parar, aquela sensação mágica e indescritível de gostar de alguém. Da segunda vez que você sentiu seu coração parar, aquela sensação dolorosa e indescritível de sofrer por alguém."

"Toda vez que você me negava eu tentava te empurrar minha presença, tentava fazer você me engolir. E você me vomitava."



Juro, só percebi agora que os três livros que escrevi são como cartas. Eu AMO esse tipo de texto que fala com o destinatário, sabe? É muito amor <3 Em "Por isso a gente acabou", a personagem se apaixona pelo menino mais popular do colégio e ele, óbvio, também se apaixona por ela. Só que aí ela começa a ver que na verdade não era tudo isso que ela imaginava. No livro, Min escreve essa gigantesca carta para Ed, devolvendo todos os objetos que têm alguma relação com os relacionamento dos dois. É legal porque, apesar de saber o final, o livro não se torna desinteressante. Muito pelo contrário, tudo isso leva a uma grande questão: porque diabos eles realmente acabaram? A Min cita o tempo inteiro "e foi por isso que a gente acabou, Ed.", mas nunca esclarece de fato isso. Eu amei o livro, mas já li várias resenhas negativas por aí...

"Eu tinha te perdido por tanto tempo que quando te achei de novo meu cérebro falou "Por que você está olhando para esse cara? Quem é ele? Porque esse cara e não os outros, qualquer outro?"."

"É diferente. Você, Min, deixou tudo diferente para mim. Tudo, que nem o café que me fez provar, melhor do que todos que eu já... Ou os lugares que eu nem sabia que estavam logo ali na rua, sabe? É tipo aquele negócio que eu assisti quando era criança, que o garotinho ouve um barulho debaixo da cama e aí tem uma escada que antes não estava lá, e ele desce por ela..."

"Eu podia ter posto na água, podia ter cuidado dele e vai saber o que teria virado, o que podia ter acontecido com esta coisa do parque onde eu te amei, Ed, onde eu te amei tanto."

"Achei que fosse uma coisa mas era outra, era zero, zero, zero, sozinha no ônibus, enquanto você dormia e eu tive que ir embora, e foi por isso que a gente acabou."

"E eu quase disse eu te amo. Mas não falei nada e você não falou nada."

"Sorri para você, amei você, mordi os lábios para não dizer."

"Mas eu quero mesmo assim, Ed, quero o que não tem como acontecer, e foi por isso que a gente acabou."



 Um beijo, Dó.

Você talvez vá gostar

0 comentários

Mande um recadinho!

Facebook